Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Perguntas mais frequentes sobre SaaS 

Software como serviço ou SaaS (Software as a Service), como é sua abreviatura, já é uma tecnologia conhecida e usada por muitas empresas.

Mas enquanto para alguns falar em SaaS é tão comum quanto falar em “nuvem” na internet, para outros o assunto ainda gera algumas dúvidas.

Perguntas mais frequentes sobre SaaS 

7 perguntas mais frequentes sobre SaaS

Um software como serviço nada mais é do que o seu próprio nome já diz, um software que presta um serviço.

Para começarmos com um bom exemplo, o Coursify.me é um SaaS que fornece serviço de hospedagem para cursos online.

Há SaaS desenvolvidos para atender as mais diversas funções e se você acha que não conhece nenhum, vamos citar apenas três nomes para mostrar que está enganado: Dropbox, PayPal e Netflix.

Sim, esses três gigantes do mundo da tecnologia que prestam serviços completamente diferentes uns dos outros, são SaaS.

Agora você deve ter conseguido ter uma noção mais clara do que é esse bendito software como serviço, mas, para complementar, reunimos e respondemos 7 perguntas bastante comuns sobre o assunto.

1. O que é SaaS?

Em linhas mais detalhadas, SaaS é um método de entrega de software de modo remoto, ou seja, o contratante do serviço pode acessá-lo de qualquer dispositivo com conexão à Internet

Nesse modelo de software baseado na Web, os fornecedores hospedam e mantêm os servidores, bancos de dados e código que constituem o aplicativo. 

A principal diferença entre a comercialização de um SaaS e de um software tradicional, é o seu modelo de entrega.

No primeiro caso, empresas contratam o serviço e pagam uma mensalidade por seu uso, como ocorre no Coursify.me, Netflix, etc.

No segundo, compram uma licença de uso permanente do software e devem fazer sua instalação em computadores próprios para poder usar. Como fazemos com o Office, Photoshop e tantos outros programas há tanto tempo. Todos sabemos o trabalho que isso pode dar.

Uma  das principais vantagens do SaaS sobre esse modelo tradicional é que as empresas não precisam investir em hardware para hospedar o software, o que permite que também terceirizem a maioria das responsabilidades de TI, normalmente necessárias para solucionar problemas e manter o software. O fornecedor de SaaS cuida de tudo.

Além de permitir o acesso remoto via Web, o SaaS também difere do software local em seu modelo de preços

O software local é normalmente adquirido por meio de uma licença permanente, o que significa que os compradores possuem uma permissão para usar o software. Eles também pagam de 15% a 20% ao ano em taxas de manutenção e suporte. 

O SaaS, por outro lado, permite que os compradores paguem uma taxa de assinatura anual ou mensal, que normalmente inclui a licença de software, suporte e a maioria das outras taxas. 

Esse modelo de serviço permite que PMEs utilizem um software que de outra forma não conseguiriam, devido ao alto custo da licença.

Custos de uma plataforma EAD

2. Qual é a diferença entre SaaS e computação em nuvem?

Essa é uma das perguntas mais feitas, definitivamente.

A famosa nuvem se refere a um conjunto de tecnologia de infraestrutura incrivelmente complexa. 

Em uma explicação básica, é uma coleção de computadores, servidores e bancos de dados que são conectados juntos de uma maneira que os usuários possam conceder acesso para compartilhar seu uso.

A nuvem pode se referir a qualquer coisa hospedada remotamente e entregue via Internet. 

Embora todos os programas em nuvem sejam executados por software subjacente, o SaaS refere-se especificamente aos aplicativos de software comercial que são entregues via nuvem

Hoje, quase todo tipo de software de gestão empresarial – de recursos humanos a marketing- está disponível via SaaS.

5 vantagens de mover seu treinamento online para a nuvem

3. Quem possui meus dados?

Essa não é apenas uma pergunta, mas um temor muito frequente entre pessoas e empresas que pensam em contratar um SaaS.

Certamente, para se iniciar um contrato seguido de cadastro em uma plataforma, dados e informações do contratante são necessários.

Como acontece na maioria das transações online, muitas pessoas ainda ficam relutantes em fornecer dados de pagamento, por exemplo. Não apenas com medo de que alguém possa acessá-los, como também que a empresa provedora do software vai “possuir” tais informações particulares.

Certamente, você deve prestar atenção nisso ao negociar um acordo de nível de serviço (SLA) com seu fornecedor de SaaS

Além de definir os padrões de confiabilidade do sistema, o SLA define parâmetros para várias questões, como propriedade de dados, requisitos de segurança e agendas de manutenção.

Em termos de propriedade dos dados, os compradores devem garantir que exista uma cláusula no SLA que indique inequivocamente que eles são os proprietários. 

A maioria dos contratos de SaaS tem contingências internas e pré-pagas que fornecerão acesso aos seus dados se os fornecedores fecharem seus negócios e garantem que você possui esses dados. 

Além disso, a maioria dos fornecedores de SaaS permite exportar seus dados e fazer backup localmente a qualquer momento. É muito incomum qualquer fornecedor insistir em manter a propriedade dos seus dados. Se você notar isso em uma cláusula, não assine.

4. Meus dados estão seguros?

Essa pergunta complementa a anterior e se baseia no mesmo temor de quem considera o uso de um SaaS.

A segurança é prioridade quando se trata de permitir que outra pessoa mantenha dados críticos para os seus negócios, especialmente no caso de grandes empresas.

No entanto, com transações bancárias online se tornando a norma hoje em dia, assim como diversas outras operações comerciais, não há para onde correr e essa insegurança aos poucos vai sendo vencida. 

A boa notícia, é que fornecedores de SaaS são realmente capazes de investir muito mais em segurança, backups e manutenção do que qualquer empresa de pequeno a médio porte

Por esse motivo, um sistema baseado na Web geralmente possui mais medidas de segurança do que um sistema local. Além disso, a maioria dos fornecedores de SaaS passa por procedimentos rigorosos de segurança das auditorias que testam o nível de segurança do data center. Um departamento de TI local, por outro lado, pode não se manter nos mesmos padrões.

5. E se meu fornecedor SaaS sair do negócio?

Essa é uma preocupação legítima. Não vamos nos esquecer que um SaaS é um negócio, e como qualquer empreendimento está sujeito a falhar ou ter suas atividades encerradas.

Os dados, no entanto, continuam sendo seus. 

A maioria dos fornecedores de SaaS paga antecipadamente sua empresa de hospedagem de data center para “manter as luzes acesas” por algum tempo.

Essa taxa pré-paga visa proteger as empresas para garantir que seus dados estejam acessíveis no caso de algo acontecer com o fornecedor.

O importante aqui é garantir que o seu SLA tenha uma cláusula que indique explicitamente que você pode exportar seus dados do seu provedor, o que a maioria dos SLAs descreve como prática padrão.

Esta cláusula também deve incluir com que frequência e em que tipo de formato você pode acessar seus dados. É comum que os SLAs determinem que o fornecedor ajudará a migrar seus dados, por uma taxa apropriada.

6. Posso personalizar o SaaS?

Graças ao tempo e a evolução dos SaaS, hoje em dia, na grande maioria dos casos, a resposta para essa pergunta é sim.

Está se tornando muito mais fácil e comum personalizar sistemas SaaS para assumirem a identidade da empresa contratante.

No caso do Coursify.me, por exemplo, vários recursos de personalização, que vão desde a inserção de logo e imagens até o domínio personalizado, são disponibilizados aos clientes da plataforma.

Assinantes podem personalizar a interface do usuário para alterar a aparência do software, bem como modificar áreas específicas, como campos de dados e fotos.

Para que o SaaS represente e atenda as necessidades da empresa que o utiliza, diversos outros recursos (que dependem do tipo de SaaS) também podem ser ativados e desativados à vontade. 

Essa é outra grande vantagem dessa solução sobre a venda de softwares no modelo tradicional.

Cientes disso, os fornecedores de software estão investindo mais em desenvolvimento para fornecer personalização e flexibilidade às empresas que ainda preferem o software local. 

Obviamente, tudo isso varia de acordo com o aplicativo e o fornecedor; alguns estão mais à frente do que outros.

7. Quais são as limitações do Sistema Operacional (SO)?

A principal desvantagem do SaaS é que ele depende de uma boa conexão com a Internet. 

Algumas pessoas também se preocupam com a compatibilidade do sistema operacional. A maioria dos sistemas empresariais foi criado para rodar em Windows ou Linux, mas, com uma maior popularização do uso de computadores da Apple no meio corporativo, isso está começando a mudar. 

Além disso, a maioria das empresas de SaaS oferece suporte a vários navegadores da Web; portanto, independentemente do sistema usado, você pode acessar seus aplicativos SaaS.

É importante ressaltar que softwares locais, embora não dependam da internet, estão sujeitos a outros problemas, como quedas de energia, falhas de hardware e vários outros riscos relacionados a manutenção e atualização.

As atualizações do SaaS são feitas pelos provedores e colocadas à disposição de seus clientes.

Para amenizar o problema gerado por um queda de conexão, alguns fornecedores de SaaS desenvolveram uma funcionalidade “offline” que permite que as pessoas continuem trabalhando no caso de a Internet cair. Quando uma conexão sólida estiver disponível novamente, todos os dados serão sincronizados com o sistema.

Coursify.me: SaaS para hospedagem de cursos online

Coursify.me: SaaS para hospedagem de cursos online

SaaS com foco no ensino e aprendizado online, o Coursify.me foi desenvolvido para ser um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), ou seja, uma sala de aula virtual, onde alunos e professores podem se reunir e contar com todos os recursos que ambas as partes precisam.

Ambiente Virtual de Aprendizagem: o que é e para que serve

Software como serviço baseado em nuvem, há várias vantagens em terceirizar a hospedagem do seu curso online no Coursify.me, tais como:

  • Não é necessário que você faça investimentos em infraestrutura, manutenção e atualizações;
  • Modelo de ensino testado e aprovado;
  • Economia de tempo e dinheiro com desenvolvedores de sistemas;
  • Facilidade na configuração de funções e layout;
  • Suporte técnico especializado.

Plataforma EAD completa, o Coursify.me é a solução ideal para quem quer criar, vender e divulgar cursos na internet, sem ter que investir para começar seu próprio negócio.

Tudo que você precisa saber sobre Plataforma EAD

Atendendo empresas e profissionais em mais de 60 países, a plataforma é um ambiente virtual de aprendizagem dinâmico e customizável.

Isso significa que você não precisa investir na construção do seu próprio site. O Coursify.me já está pronto para você inserir seu curso e criar uma página totalmente personalizada para o seu negócio.

Temos três opções de planos para você decidir qual melhor atende às suas necessidades e, a boa notícia, é que o Plano Iniciante é gratuito!

Visite nosso site, teste a plataforma e comece agora a vender cursos online.